Ambigramas: um mundo equivalente

Ambigramas são palavras, frases ou até mesmo textos que podem ser lidos tanto na posição normal quanto na posição por defeito, ou seja, de "cabeça para baixo".

Jardim futurista

Plantas em meio a curvas modernas, árvores por dentro de uma estrutura acima de suas raízes, flores se misturando com esculturas... Seja bem-vindo ao futuro.

Direitos e deveres de um nerd

Nós, nerds, temos nossos direitos e deveres. Sim, nós somos privilegiados com os artigos que constam na Declaração Universal dos Direitos dos Nerds.

Se você é normal, já fez isso.

Uma lista de coisa que você certamente já fez. Sério, você já fez.

Arte com remédios

Uma overdose de imagens feitas com pílulas, remédios, seja lá o que for!

21 de nov de 2012

Coisa inútil do dia: minhoca epiléptica

Vagando pela fabulosa internet achei esse site bizarro. A princípio mexi o cursor e, hey, a minhoca se mexe! Após alguns segundos de incômodo à anelídea, apareceu a frase "Shake Vigorously" ("Chacoalhe com vigor", na tradução livre). "Ok, você é que manda", pensei. O resultado me fez pensar: "ainda bem que não sofro de epilepsia!". Abaixo está a nossa querida minhoca. Brinque à vontade, mas não nos responsabilizamos por espasmos, convulsões ou ataques epilépticos decorrentes da brincadeira.




P.S.: Visitem o site oficial, é mais divertido fazer em tela cheia.

Maquete Gamer

 Criada por mim, Jônattas Cazumbá, 17 anos, estudante de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Maurício de Nassau, essa maquete reúne alguns jogos clássicos e atuais nos seus elementos. Vamos conhecer alguns...

A princípio, minha professora pediu para idealizar uma praça a partir de um terreno existente na parte Antiga do Recife. O terreno deveria possuir uma área de 6400m² (80m x 80m), uma rua passando pela esquerda, o rio atravessando frontalmente e a avenida passando posteriormente.
No terreno original há um monumento conhecido como Cruz do Patrão, um dos monumentos mais antigos do Recife; real, aterrorizante, marcado de histórias e mistérios.


Como o projeto deveria obrigatoriamente conter um píer para contemplação do rio, resolvi então fazê-lo em formato de 1/4 de círculo. Juntamente com o formato de meia lua do pátio de eventos (em vermelho), o resultado foi o bom e velho Pacman. Comecei aí e não parei mais.

9 de nov de 2012

Dia de Carl Sagan - um gênio que completaria 78 anos


Hoje, 9 de novembro de 2012 a comunidade científica, os fãs do mundo inteiro e nós do Guepard Design Team comemoram o 78º aniversário de Carl Sagan, um grande cientista que contribuiu para nos fazer olhar para o céu (e para nós) de forma diferente.

Nascido em 9 de novembro de 1934, Carl Edward Sagan foi gerado e criado por uma família simples que morava no Brooklyn (Nova Iorque, Estados Unidos), filho de um pai imigrante russo e uma mãe americana de etnia judaica. Apesar de sua origem humilde e evidentemente pouco instruída, Sagan dedica a seus pais sua curiosidade e seu empenho em aprender:
"Meus pais não eram cientistas. Eles não sabiam quase nada sobre ciência. Mas em me apresentar simultaneamente ao ceticismo e ao saber, eles me ensinaram os dois modos de pensamento coexistentes e essenciais para o método científico." (livro "Shadows of Forgotten Ancestors", escrito por ele próprio)
Sua formação multidisciplinar (PhD em astrofísica, experiências no Smithsonian, passagens pelas Universidades de Chicago, Havard, Cornell...) lhe propiciou aceitação e admiração no programa espacial americano, tanto que lhe foram dados títulos honorários e cargos elevados dentro da NASA, como o de consultor e conselheiro da agência. Carl também trabalhou com os astronautas das missões Apollo e como chefe dos projetos Marineer e Viking (enviadas a Vênus e Marte) e as missões Voyager (confins do Sistema Solar) e da sonda Galllileu (Júpiter). Com todas essas expedições, ele conseguiu explicar o exceso de temperatura em Vênus (resposta: efeito estufa alarmante), as mudanças sazonais em Marte (resposta: poeira trazida pelo vento), e a névoa avermelhada de Titã, lua de Júpiter (resposta: moléculas orgânicas complexas).


Cena de Cosmos, apresentado por ele mesmo
Foi escritor de várias obras, inclusive os livros "Os Dragões do Éden", ganhador do prêmio Pulitzer de literatura e "Contato", que chegou a ganhar uma adaptação cinematográfica. Ele também foi o cabeça da série Cosmos, da qual ele mesmo apresentava e escrevia o roteiro, ao lado da produção da sua esposa Ann Duryan.
Sagan sempre foi um cético defensor da possibilidade de vida extraterrestre, conforme se veem em muitas de suas citações:
"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."

"O que é mais assustador? A idéia de extraterrestres em mundos estranhos,
ou a idéia de que, em todo este imenso universo,
nós estamos sozinhos?"


"A ausência da evidência não significa evidência da ausência."
Visionário, criou a Sociedade Planetária (foto ao lado, mostrando seus cofundadores e Carl Sagan ao centro, de terno claro) e promoveu o SETI ("Search for Extra-Terrestrial Intelligence", sigla em inglês para Busca por Inteligência Extraterrestre), programa que analisa ondas de rádio com o intuito de buscar evidências de contato alienígena. (Isso aí, eu também acho que seria muito egoísmo somente a Terra abrigar vida num universo infinito!)
"Em minha estimativa parcial, ele era uma figura histórica mundial que nos incentivou a deixar a espiritualidade geocêntrica, narcisista, “sobrenatural” de nossa infância e abraçar a vastidão — amadurecer ao tomar as revelações da revolução científica moderna de coração" (Ann Druyan falando sobre o finado marido)

EyeLeo: descanse sua vista


Ei, você, sedentário morrendo de dor de cabeça por ficar horas a fio na frente de uma tela de computador: mova seus olhos, descanse sua visão, seja feliz com EyeLeo!

Ok, propagandas à parte, é interessante saber da existência deste programa. O EyeLeo foi desenvolvido para lembrar ao usuário de fazer exercícios simples com os olhos (olhar para cima e para baixo, piscar os olhos rapidamente, fechar os olhos com força, etc.) e evitar males causados pelo tempo excessivo passado em frente a um monitor, assim como dor de cabeça, náusea, enjoos, sangramento nasal, e morte súbita.

O programinha oferece uma interface simples e funcionalidade personalizável. Mais fácil ainda de entender é sua atuação: a cada curto espaço de tempo (10 minutos, por exemplo) o programa lembra a você um pequeno exercício ocular, o que faz com que você movimente seus olhos e evite o cansaço da sua visão. Após um longo período (talvez uma ou duas horas), o EyeLeo escurece a tela e te impede de fazer qualquer atividade no computador, exibindo uma simpática mensagem: "É hora de uma longa pausa. Mova seu corpo e relaxe seus olhos". 
Mas tenha calma: ele avisa quando está chegando a hora do relaxamento.


Configurando
Dentro do menu de opções, você pode configurar suas pausas de acordo com o seu nível de uso, grau de problemas de visão ou carência para ver o mascote do programa (até que é um filhote de leopardo bem cuti-cuti *--*). É possível habilitar ou desabilitar as pausas, assim como alterar sua frequência. Você pode, por exemplo, definir um longa pausa a cada uma uma hora e meia e uma curta pausa a cada 5 minutos. Além disso há uma caixa com a opção "Enable strict mode", na qual o EyeLeo não tem dó e não permite que você pule a longa pausa antes que o tempo termine.

E então, gostou? Faça o DOWNLOAD AQUI e usurfrua deste programa fantástico. Também recomendamos o site oficial (eyeleo.com), com atualizações e informações vitais.

Hora de pastar...
Aqui está uma rápida análise do EyeLeo:

Pontos positivos:
Gratuito
Fácil de usar
Bastante configurável
Já vem com algumas predefinições decentes
Cumpre com o papel de mãe coruja preocupada com a sua visão
Manda aquela sua prima chata sair do computador e ir passear um pouco

Pontos negativos:
Interface ainda não traduzida para PT-BR (não é exatamente ruim, mas é relevante para os leigos)

Fonte: NiggaBlog (é outro blog meu, mas vale a pena ter a consciência do copyright)

Motocicletas feitas de relógios

 Seu relógio quebrou e não tem mais conserto? Não, não jogue no lixo, ele pode virar um moto (sim, e além do mais uma moto que não anda!)

O artista canadense Dan Tanenbaum faz essas realísticas motocicletas usando nada mais nada menos que partes de relógios velhos, usados e quebrados. O resultado é impressionante. Abaixo, uma galeria selecionada (clique nas imagens para ampliar).

Terra: O Pálido Ponto Azul

Desde criança sempre fui apaixonado por astronomia. É difícil olhar para o céu numa noite estrelada e não mentalizar o quão minúsculos somos em relação ao infinito Universo que nos rodeia: galáxias, planetas, estrelas, asteroides, quasares... tantos astros incríveis e peculiares que acabam ofuscando nossa casa, nosso lar, o nosso querido pontinho azul.

É nós na fita!
Carl Sagan foi um grande cientista do século passado. Astrônomo, cosmólogo, físico e escritor, nasceu numa família humilde no Brooklyn, Nova Iorque, Estados Unidos, e foi tomando gosto pela ciência, tanto que ao longo do tempo sua formação multidisciplinar lhe propiciou um cargo de conselheiro e consultor da NASA desde os anos 1950 e foi lá, chefiando a equipe da sonda Voyager, que Sagan teve a ideia de tirar uma fotografia do nosso planeta a mais de 6,4 bilhões de quilometros de distância. Seria possível? Seria visível? Seria útil? Sim.

Ao observarmos essa fotografia não podemos deixar de pensar que nossa casa não passa de uma minúscula palha num agulheiro, um lugar tão pequeno que é difícil de acreditar nas coisas que nele ocorreram. Avanços, guerras, revoluções, todos os fatos que ocorrem e ocorreram estão e estiveram ali, nequele tímido pixel, naquele grão de poeira sustentado pelo raio de sol, naquele pálido ponto azul.

Carl usou de sua genialidade e escreveu este belíssimo discursso, que trazemos em primeira mão aqui no GDT, tanto em texto quanto em vídeo (quem quiser uma versão para locutor de rádio mande-nos um e-mail):




Nós Estamos Aqui: O Pálido Ponto Azul (tradução)
(Carl Sagan)

A espaçonave estava bem longe de casa. Eu pensei que seria uma boa idéia, logo depois de Saturno, fazer ela dar uma ultima olhada em direção de casa.

De Saturno, a Terra apareceria muito pequena para a Voyager apanhar qualquer detalhe, nosso planeta seria apenas um ponto de luz, um "pixel" solitário, dificilmente distinguível de muitos outros pontos de luz que a Voyager avistaria: Planetas vizinhos, sóis distantes. Mas justamente por causa dessa imprecisão de nosso mundo assim revelado valeria a pena ter tal fotografia.

Já havia sido bem entendido por cientistas e filósofos da antiguidade clássica, que a Terra era um mero ponto de luz em um vasto cosmos circundante, mas ninguém jamais a tinha visto assim. Aqui estava nossa primeira chance, e talvez a nossa última nas próximas décadas.

Então, aqui está - um mosaico quadriculado estendido em cima dos planetas, e um fundo pontilhado de estrelas distantes. Por causa do reflexo da luz do sol na espaçonave, a Terra parece estar apoiada em um raio de sol. Como se houvesse alguma importância especial para esse pequeno mundo, mas é apenas um acidente de geometria e ótica. Não há nenhum sinal de humanos nessa foto. Nem nossas modificações da superfície da Terra, nem nossas maquinas, nem nós mesmos. Desse ponto de vista, nossa obsessão com nacionalismo não aparece em evidencia. Nós somos muito pequenos. Na escala dos mundos, humanos são irrelevantes, uma fina película de vida num obscuro e solitário torrão de rocha e metal.

Considere novamente esse ponto. É aqui. É nosso lar. Somos nós. Nele, todos que você ama, todos que você conhece, todos de quem você já ouviu falar, todos os seres humanos que já existiram, viveram suas vidas. Todas as nossas alegrias e sofrimentos, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas, cada caçador e saqueador, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e plebeu, cada casal apaixonado, cada mãe e pai, cada criança esperançosa, inventore e explorador, cada educador, cada político corrupto, cada "superastro", cada "líder supremo", cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali, em um grão de poeira suspenso em um raio de sol.

5 de nov de 2012

Teclado de madeira

Num mundo em que o silício, o vidro, o metal e o plástico revestem e sustentam os nossos aparelhos eletrônicos, ainda há lugar para produtos que relembram a natureza? A Orée garante: sim.
 
 A empresa francesa Orée é fabricante destes estilosos teclados feitos à mão com madeira de carvalho (cor clara) ou nogueira (cor escura), que dão aquele ar especial ao seu computador.

O teclado sem fio tem conexão bluetooth, que lhe permite interagir com computadores, smartphones e tablets que possuam suporte à conexão. Se você pensa em adquirir um, o preço é de salgados 125 euros (algo em torno de R$ 333,00 e sem contar o frete e os impostos...).

Enfim, se você quer ser mais verde... Orée!

Fonte: Orée via Toxel

Links Ociosos

Colmeia Exchange

Compartilhe

Twitter Facebook Google+ LinkedIn RSS Feed Email Favoritos Mais...

Receba notícias por e-mail

Digite seu e-mail: